lirik.web.id
a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 #

lirik lagu 012 prod. – cypher 012

Loading...

[verso 1: mgo]
a vida é complexa o ser humano maldoso
enquanto deus não voltar, eu continuo tendo nojo
desse povo moralista falso e preconceituoso
-ssumo meu posto sendo pouco amoroso
envolvido até o pescoço
me jogando dentro de um poço
sem volta… mas a vida tem dessas
é isso que me expressa
sem pressa, vou nessa
embarco nessa festa
então vamo que ainda dá tempo
tenho talento
joga aí qualquer beat que eu represento
mas tudo tem um preço, eu não tenho medo
não me prendo, nem me arrependo
vai vendo, eu compreendo
a chuva cai e molha tudo que tem pra molhar
a vida vem e leva tudo que tem pra levar
eu não sei porque não me leva, tudo se eleva
vida prospera, é a nova era
realidade te derrubou, né?
bateu de frente com o mundão
correu atrás sem esperança e parou no primeiro não
é o vale, nós tá na cena
ouvinte de quem tá acima
é o vale, nós tá na cena
mantendo a disciplina

[verso 2: beezy]
em meio ao caos e pesadelos, são vários danos sofridos
me encontro perdido em uma grande labirinto
eu sinto fome, pra sair daqui sigo lutando
e me esquivando dos demônios que eu encontro aqui
pensar? eu já pensei demais
e os demônio me falando pra eu fazer o que eu quiser
coragem eu tenho de sobra, o medo já foi embora
vou manter esse segredo enquanto espero por glória
a resposta está dentro de você
escrevo poesias por não saber até quando vou permanecer
nesse mundo que tá impossível de viver
enquanto eu sinto a sede de escrever tudo que vejo
acabo me perdendo nessas linhas
talvez nem faça tanto sentido essas linhas
mas talvez eu encontre nela o meu caminho
por isso eu vou seguindo, pois sei, não tô sozinho
visão nós tem, e hoje eu tô na sede pra rimar
os cara convocaram, então eu vou representar
não vou deixar nenhum invejoso me afetar
mas pode pá, bota logo o beat pra rolar

[verso 3: junqueira]
andando com a morte na cidade, trocando ideia com anjos
onde minha alma se exilou, esses são todos meus arranjos
encontrei minhas canetas no porta-treco da vida
onde tudo de fajuto eu guardei na mochila
sinto meio pestilento nesse apodrecimento
naves se encontram em minha alma e sempre ficam batendo
demônios que me -ssombram, eu lembro de como os criei
uma receita natural o problema que eu causei
artérias nem bombeiam, o coração nem sente
coração que sempre bate, é um infarto pra sempre
fico alerta em subúrbios desse meu metrô mental
vou pegar um busão em vênus, direção universal
eu sonho com a realidade e tenho sonhos pra contar
é porque eu sonho acordado só pra ver se realizar
e talvez um país inteiro ainda venha a acordar
pra não ter só um belo hino, uma bela história pra contar
com apontadores pra apontar
sem apontadores pra apontar
sem encontrar dores pra encontrar
aponto as cores pra contar
contadores pra contar
sem manter dores pra conter
uma dolores pra matar
e -ssediadores pra prender

[verso 4: fiel & beezy]
quanto mais tento entender, mais percebo que
quanto mais eu esquecer, mais vou ser feliz
a farda que pratica o mal, oveneno é letal
infecta as pessoas de modo viral
donos de tudo, donos do ódio
buscam no pódio, como é que pode?
propriedade privada invadida, é sem piedade
precisam de fé para mover o mundo
não as montanhas
fé nas crianças é fé no futuro
ultimamente presente obscuro
homens egoístas só pensam no lucro
burros!
jesus esquecido no aniversário
raça humana faz papel de otário, claro
olha no meu olho e ‘cê pega a visão
guiado formado olho do furacão
elo, união, verso, informação
libertários (até o fim do mundo!)
até o fim de tudo!
mundo engole quem dá mole
dou meus trago, dou meus gole
vê se não fode, lóki loko
que tá sempre à procura de ibope
cenas vividas, noites e dias
que eu pensava que havia perdido
em meio ao caos eu continuo vivo
e minha mãe já dizia: “tenha juízo”
versos na cidade da perdição
pra poder achar motivos
pra poder achar motivos

[verso 5: profeta]
a vida é loca
é como um beijo na boca
como pegar 25 na boca
como viver sem voz em sua boca
como a cop batendo na boca
não tô de toca
a vida p-ssa a gente morre
só que não existe restart
ou nasce rico, ou faz seu corre
uma mãe sofre, espancada
a filha é abusada
não que eu defenda o aborto
a liberdade nos foi dada
agora quer ser tomada
o gigante voltou a dormir
bora acordar para o segundo round
ainda dá tempo de conseguir
sair de uma redoma nessa cidade fechada
onde as pats querem mary, green, em festinhas privadas
onde os boys querem um golzinho e uma t-tan guardada em casa
a vida é mais que ver sua série em sua casa alugada
faltando emprego, dinheiro
bateu desespero, eu faço um apelo
mas faço cantando, rimando
soltando minha rimas em todas batidas
e rima pra mim tá sobrando
eu sou um pobre estudando
escrevo pensando e isso é importante!
porque mc copia o que ouve
aí, jow, é bom pensar antes
de p-ssar mensagem sem metalinguagem
eu uso a linguagem e sou bom com isso
tô tipo um caça da nasa, em casa
escrevendo, atacando e matando igual míssil
fica difícil me ver submisso
mas a humildade me faz ser menor
pois sei que não é o tanto de like no som
que me faz ser um mc melhor